03 / 08 / 2020 - 17h55
Padre Walmir mantém neutralidade, rebate críticas e não descarta lançar um candidato a prefeito

Na manhã desta segunda-feira (03), o prefeito de Picos, Padre José Walmir de Lima (PT), convocou a imprensa picoense para uma entrevista coletiva em sua residência no bairro Ipueiras.

Na pauta do encontro com os jornalistas os acontecimentos políticos da última semana quando o gestor retirou seu apoio a pré-candidatura do empresário e pré-candidato a prefeito de Picos, Francisco da Costa Araújo Filho, o Araujinho (PT), e exonerou dois secretários municipais.

Padre Walmir explicou que rompeu Araujinho devido o grupo político ter quebrado o acordo em que ficou acertado, inclusive com o aval do Governador, Wellington Dias (PT), que o prefeito indicaria o pré-candidato a vice-prefeito da base.

“No início nós defendíamos a pré-candidatura de Maria Santana a prefeito, na ocasião o Araujinho também do grupo e nós dizíamos que no final que ia apoiar o nome que fosse mais aceito. Naquela ocasião Maria retirou a pré-candidatura dela e nós abraçamos e decidimos acolher a pré-candidatura de Araujinho desde que nós indicássemos o vice. Assim ficou combinado. Vieram as filiações e naquela ocasião Dona Fátima [Sá] estava indo para o PC do B. Os amigos, os camaradas acolheram a todos e ficamos animados que seria Dona Fátima a nossa indicação. Automaticamente começaram a trabalhar outro nome de uma pessoa querida nossa. É bom que todos saibam que Dr. Gutenberg [Rocha] é uma pessoa nossa, uma pessoa honesta, uma pessoa boa, tem suas qualidades. Nada contra a pessoa dele, mas desse modo estava fugindo do combinado que era que a gente indicasse o vice [...] trabalhamos depois automaticamente dois nomes de Iata, também do grupo do PC do B, e também o de Dona Creusa que é do MDB [...] e disseram que não”, pontuou.

Padre Walmir frisou que esse vai e vem provocou um desgaste na base, além disso, o fato de ele ter participado de uma caminhada com Araujinho no bairro Aroeira do Matadouro, onde foram feitos vários registros fotográficos, e mesmo assim nada foi postado nas redes sociais do pré-candidato a prefeito.

“Aí foram fazer a publicação das fotos aí não botaram nada da caminhada que eu estava presente [...] ignorou a nossa presença”, explicou acrescentando que depois disso avaliou que estava perdendo espaço, se sentiu mal acompanhado e então decidiu comunica a Araujinho que não ia mais acompanhá-lo.

Sem citar nomes o prefeito também rebateu os ataques que sofreu na última sessão da Câmara de vereadores onde foi chamado de traidor, judas e ingrato pelo presidente da Mesa Diretora, vereador, Hugo Victor Saunders (MDB), que é filho da enfermeira e ex-secretária municipal de Assistência Social, Glória Saunders, que foi uma das gestora exoneradas  do cargo.

“Qual foi o prefeito que teve a coragem, de num momento de loucura para alguns, mas naquele momento de sabedoria para mim graças a Deus, de romper com vários vereadores naquela ocasião com um partido todinho? Quem teve coragem? Duvidavam. E fiz isso por quem? Em defesa de um nome para presidência da Câmara, rompi com todo o mundo [do PTB]. Esses dias tava vendo o vídeo de uma pessoa gritando, dizendo que fui injusto, que eu um judas, que eu sou um traidor. Aí foi falar que ‘mãe fez isso’. Minha ex-secretária de Assistência Social é uma pessoa de qualidades ímpares, eu admiro, fez muito pela administração. Fez muito pessoalmente por mim? Fez. Mas eu também fiz muito. Se for falar de traição ou de reconhecimento eu rompi com uma base todinha para defender o nome de um presidente da Câmara que depois foi um dos que me [traiu]. Desde o início tá lá com uma pilha de projetos. A gente num manda mais projeto para lá porque não aprovam. Praticamente declarou guerra. É uma das oposições que estava dentro do grupo. Vou colocar uma administração a serviço de um grupo de vereadores, de reeleição e tudo mais, para a administração ficar comprometida? Não. Porque para mim em primeiro lugar está a administração, as obras”, rebateu.

Mas o que mais chamou a atenção da imprensa nessa entrevista coletiva foi a revelação do prefeito que frisou que está avaliando e não descarta lançar um candidato próprio a prefeito de Picos.

“Existe a possibilidade de avaliarmos se há condições de uma terceira via, construir uma candidatura dentro do grupo ainda, apresentar outro nome. Se não, vamos sair com os nossos candidatos a vereadores, sem apoiar nenhum candidato a prefeito, apenas com uma base de candidatos a vereador [...] Nós não definimos o nome ainda. Nós vamos fazer primeiro essa avaliação. Nós estamos trabalhando a possibilidade de uma pesquisa levando dois, três nomes do nosso grupo do PC do B. Se a gente ver que tem viabilidade sai com um nome de candidato a prefeito como falei. Se não vamos só com a candidatura proporcional, sem majoritária”, ponderou.

 

Fonte: Portal O Povo.



Publicidade