08 / 04 / 2020 - 17h35
Dra. Saara Jane: Em tempos de Pandemia, o desafio de conciliar a profissão em saúde e a família

Saara Jane Batista é médica radiologista e sempre trabalhou em hospitais, além de atuar na sua Clínica, a Biodiagnóstico, localizada no Centro de Picos.

Concursada no Hospital Regional Justino Luz em Picos, onde coordena o setor de radiologia, e na Maternidade Wall Ferraz em Teresina, ela afirma que a rotina que antes já era rigorosa para descontaminação de roupas e acessórios como bolsas, sapatos e celulares, após uma jornada de trabalho, ficou ainda mais criteriosa.

“Sempre trabalhei em hospitais e sempre tive muito cuidado com a minha higiene pessoal quando chegava em casa, pra descartar as roupas em separado, por exemplo, mas agora tenho um lugar fora de casa onde deixo toda a roupa e sapatos, que eu usei durante o trabalho no hospital e entro em casa direto pra tomar banho”.

Saara Jane é mãe de duas filhas e se preocupa com a saúde da família, já que dentro de casa tem contato com as meninas.

“O único contato que tenho é com elas (as filhas), apesar de sermos uma família de médicos, estamos todos em isolamento social, respeitando as orientações do Ministério da Saúde, por sabermos da importância de tais medidas preventivas nesse momento da pandemia” afirmou.

Outra questão tem preocupado os profissionais de saúde é utilização adequada dos EPI´s – Equipamentos de Proteção Individual. Em muitos locais, pelo mundo afora e em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Ceará estes equipamentos essenciais para proteger os profissionais de saúde da contaminação pela Covid-19, doença causada pelo Coronavírus, estão escassos, muitos, como máscaras, que deveriam ser descartados, sendo reaproveitados.

Esse problema ainda não foi sentido nos locais de trabalho da médica, mas ainda sim é uma preocupação constante:

“O que a gente tem usado em todas as unidades em que trabalho são equipamentos descartáveis e temos recebido muitas doações da comunidade, o que nos emociona e nos deixa muito gratos. Os locais onde trabalho têm oferecido até o momento os EPIs necessários: capote, luvas e máscaras N-95. E a gente reza pra que dê tudo certo, porque na verdade a gente nem sabe direito quais são mesmo os equipamentos que têm que ser utilizados para que a gente não entre em contato com o Corona se por acaso o paciente estiver contaminado. Porque a gente vê na televisão a Coreia do Sul, por exemplo, que usou uma quantidade de equipamentos que eu nunca tinha visto antes, mas a gente reza para que o Corona tenha chegado mais leve aqui, tenha sofrido algumas alterações e que nossa temperatura nos ajude” afirmou.

Um problema recorrente no Hospital Regional Justino Luz, a procura por consultas ambulatoriais que deveriam ser feitas em Postos de Saúde da rede municipal, tem sido minimizado pelo medo de contrair o Coronavírus.

 



Publicidade